quinta-feira, 16 de junho de 2016

Pois é...Ser ex, pode ser...



Sozinha tendo como companhia a DENGUE ou alguns dos seus afiliados e dos meus sonolentos cães, graças a Deus, não perdi a minha capacidade de gostar de estar comigo e este sentimento amoroso, leva-me a pensar em meus momentos vividos e neste, penso que sou repleta de ex., dentre eles o de ser ex jovem, ex rica, ex publicitária, ex comerciante, ex patroa, ex magra, ex gostosa, bem neste caso, acho eu ainda sou um pouquinho. kkkkkk hummmm!!!
Que coisa hein!!!!!!
Gente, estou com medo de mim, será que estou com chicungunya na mente?
Ou será que definitivamente, não ter o meu trabalho diário, faz de mim uma desocupada de plantão em busca de piolhos existenciais?
Pode ser, mas também, pode ser apenas uma mente criativa que ri de suas próprias mazelas, afinal, ser ex de alguma coisa é sempre sinal de perda ou o que é pior, decadência.
E xô com qualquer sentimento que desperte em mim a auto piedade.
Sai azar, cruz credo, Salve-me Maria Santíssima...
Será que as pessoas em algum momento de suas vidas, pensam no que já foram ou já fizeram sem que qualquer tipo de sentimento de dor as atinjam?
Conviver com o que já não somos capazes de ser ou de sentir pode apenas representar itens de nossa bagagem vivencial com os quais, torna-se irrelevante considerar e que apenas em momentos especiais de absoluta falta do que fazer, desperta a memória?
Ou será que disfarço fazendo piadas para sufocar a minha própria limitação em ter sido isto ou aquilo?
Porra, seja lá o que for, com certeza, não incomoda mais que esta dor terrível que sinto nas articulações, nesta minha pontual incapacidade de caminhar ereta e de me sentir um montinho de merda, tudo por causa desta mosquita, filha de uma mãe desnaturada que em breve será outra ex, que colocarei no meu estoque do já tive e do já fui.
Que coisa hein!!!!!




Nenhum comentário:

Postar um comentário