Pular para o conteúdo principal
FINALMENTE

Desde 2012 que eu e meu Roberto, alimentamos o desejo de ver a união de Claudio Neves, Raimundo da Hora e Zezinho da Politur.
Esse desejo sempre foi acompanhado da lógica constatável de que juntando os talentos de cada um, acrescido da competência e força de trabalho dos seus assessores, certamente, Itaparica, poderia contar com uma equipe completa.
Cada um deles tem os atributos necessários para gerir a cidade, mas juntos, representam uma força Tarefa que com certeza, o povo itaparicano precisa e merece, além de serem homens que privilegiam juntamente com suas famílias, sempre a cidade, mostrando seus interesses na melhoria das condições dos cidadãos mais carentes e oferecendo ano após ano,  apoio as iniciativas, assim como intervenção direta de suas diversas capacitações no andamento de iniciativas, independentemente de se estar em período político.
Vejo nesta união, a não interrupção de projetos que já foram efetivados, mas que precisam de tempo hábil para se consolidarem.
Vejo também as muitas outras possibilidades de busca de novos recursos por Claudio Neves, que já provou ser capaz de adentrar em qualquer ambiente governamental no Brasil e no exterior, através de seu carisma e prestígio pessoal.
 Raimundo é o homem do povo, que conhece de perto as infinitas dificuldades desta população e que nos últimos cinco anos, focou seus trabalhos, justo no resgate da autoestima e dignidade dos grupos sociais mais carentes, promovendo ações de cunho cultural, social e educacional que não podem ser interrompidos.
Zezinho da Politur é a força do trabalho e da competência profissional e familiar, já largamente comprovada, por se tratar também de um homem simples do povo que soube crescer com a oportunidade que lhe apareceu e ainda, pode contar com o apoio incomensurável de sua esposa e depois filhos, na consolidação de seus objetivos, além de ser um homem criterioso e verdadeiramente, apaixonado por Itaparica e, prova disto é que mesmo com os recursos necessários para mudar-se para qualquer outra cidade, optou em permanecer no mesmo endereço e de lá, projetar seus sonhos de ser uma peça que promovesse o progresso da cidade e de seu povo.
E se não bastasse, ainda existe o sempre presente Dr. Raimundo Sacramento, articulador e responsável por esta união, pois percebeu não ontem ou hoje, que Itaparica precisava caminhar para uma nova realidade e que isto, só poderia acontecer se houvesse a união de forças e talentos e que no silêncio de suas posturas sempre discretas, desenhou este panorama que com certeza, colocará a nossa cidade num novo rumo de progresso, afinal, o lema desta turma maravilhosa é o da realização e, com certeza, o povo saberá mensurar.
Nosso sonho era justamente ver os políticos unidos, independentemente de partidos, colocando como prioridade, tão somente a cidade e seu povo.
E não foi que conseguimos!
Maravilha e bola pra frente, já que “Faremos” não consta do vocabulário destes homens, pois com suas experiências pessoais e profissionais provam a cada momento, o “Eu faço”, e sou capaz de muito mais.
Itaparica não está arruinada e tão pouco paralisada, tão somente, caminha no seu restauro, sem firulas, promessas de Salvadores do mundo ou num ritmo só possível sobre os palanques.
E é neste ritmo sério e consistente que, certamente este grupo se inspira e se ampara, independentemente, dos naturais contras.
Particularmente estamos confiantes, pedindo a Deus que os propósitos se tornem realidade.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…