quinta-feira, 7 de abril de 2016

Estupefatos?
Depois de meses ouvindo, vendo e lendo a respeito desta crise política, além é claro da assustadora crise econômica, em minha ignorância de simplesmente ser uma senhorinha do povo, chego à conclusão que todas as manifestações que nós, ao longo deste tempo de investigações, disputas de poder, egos e etc. e tal, viemos tendo, tão somente, transformou-se em absoluta indignação, porque fomos obrigados a encarar nossa incapacidade em conviver com a realidade que, por longos anos, para não falar décadas e até mesmo séculos, fizeram de nós, cumplices silenciosos dos desmandos, roubalheiras e canalhices que não só solaparam por todos os tempos as nossas instituições, como aliciaram nossas condutas, transformando-nos em arremedos de espertinhos, sempre prontos a nos darmos bem, numa cópia barata e, portanto, feia, mas consistentemente convincente, pois tirou de nós a capacidade de enxergarmos o lógico, sobre o prisma humano, onde o bem comum deveria ser a regra primeira da Democracia, a qual apregoamos defender.
Não nos habituamos a encarar a realidade dos fatos e fugimos deles como o diabo foge da cruz, numa resistência absurda, fazendo-nos de cegos e surdos, como se eles fossem punhais afiados que, de alguma forma, irá nos perfurar e, então, fingimos que tudo vai bem, num esticar de cordas que transcende a razão.
Especialistas econômicos há muito vem alertando de que a nossa economia descia rapidamente a ladeira e que, certamente, os ônus chegariam aos nossos bolsos.
Mas e daí, não é mesmo?
Afinal, estávamos ganhando espaço social, destaque pessoal e intimo com a aquisição de bens, até então impossíveis de serem sonhados e, em nossa frustração incubada, estávamos chegando mais perto da famigerada elite que sempre nos explorou, afinal, passamos a ser classe média.
Pois é...
E como se tudo tivesse acontecido de uma hora para a outra, ficamos estupefatos, diante dos bilhões desviados dos cofres públicos, e mais ainda, com a cara de pau daqueles que admirávamos em seus ternos e sapatos importados, daqueles eloquentes que nos levaram a crer que estavam cuidando de nós, dando-nos finalmente a carta de alforria, com direitos a saúde, educação e dignidade social e, principalmente, o perdão por tantos erros avaliativos e enganos covardes por nós cometidos ao fecharmos a nossa mente e a nossa alma à nossa compreensão maior em relação ao óbvio existencial que é o de sabermos diferenciar o joio do trigo, numa troca doentia das estações de nossas próprias sobrevivências.
É isso aí...
Estupefatos, por que?




Nenhum comentário:

Postar um comentário