Pular para o conteúdo principal

DESABAFO lll


Novamente a desolação toma conta de meu racional que há muito foi doutrinado amorosamente a desenvolver a tolerância, sentimento básico para um conviver mais respeitoso.
No entanto, ao longo de minha vida e mais precisamente nos últimos 20/25 anos, venho percebendo que este atributo que cuidei com tanta determinação, foi sendo encarrado como babaquice, ou seja: Como se eu fosse incapaz de reagir a altura na constatação de qualquer tipo de abuso de que venha a ser vítima, numa inversão total avaliativa, motivada pelo simples fato de que as pessoas, até mesmo como artifício de defesa pessoal, esquecem a educação, quando as tem, e partem para um imediato revide, o que vem transformando a convivência humana, num verdadeiro inferno de Dante.
Acordo todos os dias celebrando a vida e em seguida, rogando a Deus que me dê paciência e amor no coração, pois sei por experiência, que irei me defrontar inevitavelmente, com abusos de todas as naturezas, independentemente, de cumprir desde as mais básicas até as mais gigantescas obrigações pessoais, sociais, seja no convívio com os demais, seja, no trato com as instituições públicas que, em sua maioria, perderam ou nunca verdadeiramente, foram voltadas ao bem comum.
Pessoalmente, creio que o maior problema hoje existente, reside na ineficiência das mesmas em cumprirem tão somente as suas atribuições, ficando o povo, como eternos esmoleiros na dependência da boa vontade caridosa de quem deveria ter a obrigação de nos prover da dignidade que precisamos em nosso cotidiano de pessoas humanas.
Falta-nos tudo, desde um recolhimento de lixo sistemático, ruas transitáveis, iluminação, segurança, educação e principalmente, conscientização do que significa estar no comando dos bens públicos.
Falta-nos tanto que, quando alguém faz um pouquinho que seja, logo o endeusamos, quando na realidade, nada mais fazem que suas obrigações, assim como o absurdo em elogiarmos o honesto, fazendo deste atributo pessoal, uma qualidade excepcional.
E aí, falamos em voto consciente, sem mesmo ter noção da extensão de seu significado e inconscientemente, levamos a mente a acreditar que somos capazes de enxergar em outro, alguém melhor e capaz de solucionar problemas, sem termos a mínima noção de que somente nós seremos capazes de alterar este ciclo vicioso de a cada 4 anos, depositarmos esperança em outro, seja lá quem for.
Nesta manhã chuvosa, penso que o que precisamos é exigir de quem se encontra no poder de nossas cidades, que pare de nos dar esmolas e comece a agir, não fazendo milagres, mas reunindo o seu pessoal e conscientizando-os de que, precisam compreender que, quem determina somos nós, povo humilde, mas não abobalhado, que já está cansado de encontrar no convívio com a coisa pública, indiferença e pouco caso.
E eu vou começar, dando o primeiro passo, lembrando ao Secretário de Infra Estrutura, seja ele quem for, que é inadmissível que não haja no mínimo boa vontade em atender as mínimas solicitações, que atravessam os verões e não são consideradas.
Lembrando a ele que é indigno, eu ter que depender de sua simpatia para receber alguma atenção.
Da mesma forma, creio que devo lembrar as autoridades policiais que esta é uma cidade que precisa de ações efetivas, que nos garantam um mínimo de segurança, pois é inadmissível em um momento de aflição, ter que ouvir que não há viaturas, policiais e até gasolina.
Não posso esquecer que se eu não puder pagar minhas contas sejam públicas ou privadas, serei punida de alguma forma. Então, porque continuar, aceitando as desculpas públicas de que não podem isto ou aquilo, enquanto, usufruem sem nenhum ônus, de seus cargos e das inerentes vantagens oriundas deles?
Confesso que ando desolada, pois me sinto violada nos meus mais básicos direitos.
E você, não?



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…