Pular para o conteúdo principal

PENSANDO NISTO E NAQUILO

Diante de um inicio de ano meio que tumultuado com a greve dos policiais militares na Bahia, desabamentos de prédios no Rio e São Paulo, chuvas torrenciais para todos os lados no sudeste e norte, assassinatos, chacinas, crimes passionais e suicídios como o que ocorreu há poucos dias com a figura emblemática de Sapoti, em Itaparica, e se não bastasse ainda estar adentrando em um ano eleitoral, restando-me a certeza absoluta de que eu, assim como qualquer outra pessoa, precisa rever valores e posturas senão para com o intuito de algo poder amenizar na própria mente, pelo menos para com a lucidez compreensiva, ir vivendo cada dia buscando, seja com os parceiros, filhos, vizinhos, patrões ou empregados, um conviver menos traumático, estressante e absolutamente idiota, se não nos esquecermos de nossas finitudes que sem hora e dia marcados, certamente virá nos dizer olá, e aí... bem... aí de que mesmo valeu tantas perdas de tempo?

Pelos mortos, pessoalmente nada mais podemos fazer, mas por nós, ah! Nem é bom imaginar muito, pois certamente nos faltaria tempo terreno para vivenciar a infinidade de gozos pelos quais poderíamos nos dar ao desfrute.

Nesta semana, mais uma vez participei como assistente de uma mesa redonda, onde a pauta era os direitos humanos, cujo foco era a intolerância às diversidades em geral, mas que abordou maciçamente a causa negra e a homofobia.

Pensei, então, no quanto ao longo de mais de um século esses temas foram alvo de lutas em prol de direitos que infelizmente jamais aconteceram com plenitude, única e exclusivamente porque o cerne de tais questões precisa ser adequado á realidade de que somos todos maravilhosamente ou diabolicamente diferentes e que somente através de um consenso onde o “respeito” norteará novas condutas e então poder-se-á sentir, desejar e verdadeiramente querer-se compreender o significado complexo, mas gratificante e acolhedor, do estado de direito, merecidamente um direito de todo ser vivo.

Porque ao não respeitarmos seja o outro, os animais, as nossas obrigações profissionais, os sentimentos coletivos e toda e qualquer relação que no cotidiano exercitamos uns com os outros ou com todas as coisas que abastecem a vida, o mundo e o nosso universo pessoal também e principalmente nos flagelamos, descumprindo a única tarefa que nos cabe, que é justo a preservação da dignidade de nós mesmos.

Quando cumprimos nosso trabalho com satisfação, decência, ética, oferecendo o nosso melhor, não deveríamos estar crendo que esta dedicação só beneficiará o nosso patrão, a empregados, família, além do tudo o mais que cremos estejam nos cobrando, mas acima de tudo estaremos polindo a nossa autoestima, oferecendo a nós o respeito que merecemos, assim como o direito de nos sentirmos pessoas melhores e consequentemente ao tudo mais que conosco interage.

Este princípio é básico e fundamental, simples e determinante, mas acima de tudo uma constante irrigação de amparo ao direcionamento de nossas passadas existenciais.

Portanto, pensava então enquanto ouvia as distintas professoras, explanando sobre leis e lutas que tudo é muito teórico, porque verdadeiramente na prática onde ocorrem as diferenças, as mazelas e as agressões sejam individuais ou de grupo, todos se sentem com direitos, mas ninguém, seja agressor ou vítima, se sente verdadeiramente respeitado.

E aí, como eu posso esperar receber de alguém algo que sequer poderei identificar? Como poderei ofertar o que sequer jamais possuí? Geralmente, cremos que sabemos muito, pelo menos disto ou daquilo. Somos arrogantes em nossas afirmativas e cruéis com as nossas conquistas frente ao despreparo que sempre cremos existir no outro, no sistema e na vida.

Que tal acordarmos para a certeza de que afinal somos nós que não partilharmos com o outro, somos nós que criamos e mantemos o sistema tal qual ele se apresenta, sem qualquer resquício maior de respeito seja lá em que estágio dele venhamos a necessitar, e quanto a vida, ah! Com certeza, somos nós que a determinamos passo a passo com a nossa contumaz arrogância em crermos que esta, pelo menos para nós, jamais se findará.

Pense nisso, e se fizer sentido, comece sendo gentil, simpático e solidário e, provavelmente, o seu universo pessoal vai agradecer e sua morada, que é sua mente, agradecerá.

--

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…