Pular para o conteúdo principal

Ética, no aqui e agora...



Volto a falar de ética, porque, afinal, este é um tema tão amplo quanto o interminável intercâmbio de qualquer natureza consigo e com o tudo o mais no qual se encontra inserido e que hoje é moderno designar-se de universo pessoal que os filósofos antigos já mencionavam na designação do habitat da criatura humana e muitos deles ainda relacionavam a uma transcendência universal.

Bem, no aqui e agora o sentido da ética tem sido moldado de acordo com os interesses e necessidades individuais, o que é absurdamente assustador, pois até então o que era possível de observar era a aplicação de uma ética de grupos, onde estes formulavam conceitos próprios em detrimento dos demais, característica que marcou grupos sistêmicos de forma indelével através de exemplos deploráveis das guerras e fundamentalismos de qualquer natureza.

Isso não significa que evoluímos nesse aspecto, já que de forma disfarçada e com um sem número de nomes a aplicabilidade da ética exclusivista permanece mais forte do que nunca, escravizando uns em detrimento de muitos.

A essa continuidade perversa oferecemos culpa ao sistema, mas este sempre existiu por pura necessidade de normas de procedimento individual em meio a grupos, esta conceituação se adequa agora ou sempre, repito, aos interesses normalmente de poucos como já analisava Platão no estudo de sua “polis” ideal, debatendo junto a Glauco as formas pelas quais dever-se-ia conduzir um povo comparando as formas mais adequadas de governabilidade, onde a ética se fizesse mais presente.

Entretanto, para a maioria que sequer ouviu falar nesta tal “República de Platão”, o que conta verdadeiramente é a forma pela qual ela, pessoa, possa ir e vir sem grandes atropelos, mesmo reconhecendo desde sempre que os percalços existirão por todo o tempo, desenvolvendo, assim, uma autodefesa contínua onde os seus interesses são o que conta verdadeiramente, e estes, podem ir do ato simples de não devolver um troco que recebeu a mais, até a violência ao outro ou a tudo com que eventualmente precise conviver, não havendo nem nos lares e muito menos na escola, qualquer associação educativa que correlacione sua postura a todas as mazelas com as quais convive, ficando cada ato com definições absolutamente individuais e até currículos específicos a serem estudados, mas jamais qualquer consciência de que o ponto de partida e o cerne de todas elas é a soberana ética, que, afinal, norteia os direcionamentos físicos e mentais de todo e qualquer ser humano.

As grades curriculares estão sendo alteradas periodicamente com adições de disciplinas que infelizmente nada acrescentarão às nossas crianças e adolescentes se a elas não for adicionado o conteúdo básico e fundamental de “vida e liberdade”, caminho único para o entendimento de convivência e humanidade.

Vida e liberdade representarão uma luz nas mentes infantis, donde então aprenderão a identificar-se por todo o tempo de forma absolutamente natural, como parte integrante e ativamente participante do tudo do todo que pode ser chamado de terra, espaço, habitat, cosmo, universo, mas que para ela significará tão somente estabilidade pessoal, onde sua própria consciência de ser um ser existente a manterá ligada a uma consideração respeitosa a si mesma, não se permitindo qualquer afrontamento à essência do tudo o mais, porque permanecerá reconhecendo-se no outro, seja humano ou não, e aí, a essência e a existência se fundirão em uma saudável parceria ética de respeito à vida, razão única capaz de nortear posturas individuais que certamente se refletirão na formação e manutenção de qualquer tipo de grupo, atividades, ambições e quereres.

Afinal, para ser, sentir e desejar a legítima liberdade, somente é possível através da conduta de uma vida ética que se possa exercer desde sempre por toda uma existência.

Gente como eu e você, já inseridos ao longo da vida em uma quase total alienação quanto a tudo a que me referi anteriormente, resta à absoluta certeza de que é possível chegar-se a tal entendimento se nos propusermos a rever valores, corrigir distorções conceituais, perdoando-nos por todo o tempo já que se tal legado não nos foi repassado no devido tempo, tempo hábil agora possuímos, assim como a consciência dos horrores que nos cercam e do quanto ainda precisamos arestar de nossas posturas físicas que são reflexos diretos de nossos emocionais empobrecidos, que certamente fazem de nós criaturas menores frente à grandeza na qual estamos inseridos.

Ética, é uma virtude que devemos empregar aos nossos atos, seguindo valores de respeito aos valores morais que não firam a nós mesmos, assim como tampouco ao tudo mais deste mundo, desta terra, deste cosmo, ou se quiser, deste universo, que de tão perfeito, pessoalmente chamo de Deus.

E aí, aquele sorriso, aquele muito obrigado, aquele abraço fraterno, aquele me dá licença, aquele por favor e me desculpe, fazem toda a diferença, pois representam o primeiro passo para que um alguém, como eu e você, possa adentrar no recinto infinito do respeito à vida com profundo senso de liberdade existencial, justo por estar se sentindo cônscio do espetáculo de perceber que é um ser que existe e que é capaz de pensar e escolher viver muito mais confortavelmente saudável e feliz, independentemente das ações alheias, pois o que contará sempre será o que se pensa e se faz.

Ah! E se for o caso, que não se tenha preguiça ou pudor, ou seja lá o que for, para dizer:

- Eu te amo!

- Você é lindo!

- Me ajude, por favor!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…

O FALSO BOM SAMARITANO...

Há algumas horas atrás, assistia à uma uma aula de Filsosofia da Educação, onde em determinado momento falávamos em interação com o Professor Wilson sobre justamente a humanização de nós humanos.

Cheguei a argumentar que somos incapazes de atingir esta humanização ideal exatamente por que não somos educados ao entendimento da dimensão de nossa própria existência, nem no conceito individual quanto mais em relação a um todo que sequer conseguimos enxergar e muito menos sentir.

Estamos divididos em três facções vivenciais, ou seja: aqueles que crêem em Deus e são religiosos, aqueles que crêem, mas nao são religiosos, e aqueles que não crêem.

Todos, sem exceção, vagueiam em seus cotidianos sem ter qualquer entendimento real do quanto estão desperdiçando seus minutos presentes e, sem sem se dar conta, permanecem repetindo posturas que em sua maioria no máximo os robotizam, tirando lenta, mas sistematicamente, toda e qualquer potencialidade interior que é capaz de impulsioná-los a se verem com…