Pular para o conteúdo principal

COPIANDO PLATÃO

             Em todos os dezembros, fecho o ano de séries de crônicas sociais, onde durante meses tive a bendita oportunidade de poder expressar meus pensamentos e entendimentos falando de compreensão, respeito, ética, cidadania, fraternidade e de tudo o mais que a meu ver não deveria faltar nos relacionamentos humanos.

            Aliás, penso neste instante que o grande mérito do jornalista é justamente estar atento para não desanimar frente à sua fundamental realidade em ser repetitivo, uma vez que tenho a convicção de que não pode e não deve desistir em descrever fatos, informar ou, como todo cronista, fazer o que faço, focar a vida realçando o cotidiano em suas grandezas e mazelas, sempre aparentemente muito iguais.

            Neste ano de 2011, mais uma vez deitei meus olhares de interesse e participação na área da educação, tentando mais uma vez compreender o porquê tanto abandono quando tanto poderia se realizar.

            Como sou abusada, dei palpites, desenvolvi alternativas e até delineei uma “escola ideal”, tal qual Platão em sua “polis”, afinal esta é minha forma de expressar liberdade, lamentavelmente sem os royalties para bancar, porque se o recebesse, mesmo que fosse à proporção de 30% do que as cidades atualmente recebem por esse Brasil afora, com certeza eu e todos os idealistas de plantão, certamente faríamos “milagres”, não só na educação, como na saúde, no saneamento básico e nesta persistente miséria possível de ser encontrada nos guetos de qualquer cidade, até mesmo aqui entre nós, nesses paraísos terrenos que são Itaparica e Vera Cruz.

            Quando escrevo dou pausa e fecho os olhos para enxergar “aquela” merenda de qualidade, aquele professor bem pago conforme o grau de sua competência, empenho e comprometimento, e até consigo dimensionar um amparo mais honesto e justo a todo ser humano que sorri, chora, ama e que deveria sentir-se existindo com dignidade, neste mundo onde “Deus” é tão venerado e “Jesus” tão plotado em carros, muros e panfletos. Entretanto, escrevendo ou não sou obrigada a estar com os olhos abertos enxergando sempre uma cruel realidade, que eu e você teimamos em denunciar com os nossos modos peculiares, na esperança de sermos ouvidos, entendidos, ou,no mínimo, que consigamos mesmo muito lentamente ir despertando consciências.

            Como meu “Deus” é a vida e o meu Jesus é cada ser humano, ou não, com os quais eu me relaciono, nem que seja através da interatividade vibracional, faço então, de meus escritos uma contínua oração, de minha caneta tão somente um veículo a transmitir minhas amorosas intenções.

            Neste instante presente, agradeço tudo o que recebi de bom, principalmente o carinho e o respeito oferecidos a mim na leitura de meus escritos e espero ter podido de alguma forma, ter contribuído com os meus sonhos e ideais nos recôncavos solitários de cada consciência daqueles que porventura tenham lido minha coluna a cada mês.

          Se apenas um deles, nem que tenha apagado de suas vidas o egoísmo, a prepotência, a arrogância e o preconceito, ah!.... Bendito Deus! Eu terei cumprido os meus propósitos de ser apenas uma cronista social, escrevinhadora do universo.

            Que este final de ano seja, antes de tudo, repleto de luz na vida de todos nós.

--

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OPRESSÃO CULTURAL

Acreditei estar me especializando na área da observação do comportamento humano e, por toda a minha vida, pensei estar aprendendo tudo quanto poderia, e, no entanto, absorvida com a diversidade infinita que me cercava e totalmente fascinada com o que majestosamente me apresentava a cada instante, me perdi totalmente, e, de repente, assim sem qualquer aviso prévio, vejo-me diante de minha não menos infinita ingenuidade avaliativa e percebo, então, o quanto nada sei em relação a capacidade humana em se adaptar às circunstâncias, ou a buscar posições favoráveis à suas conveniências pessoais de adaptabilidade social.Há alguns anos, venho tentando entender o porque de minha paixão por Itaparica, visto que conheci inúmeros outros locais, não menos bucólicos e acolhedores. E agora, como um raio de luz esclarecedor, posso compreender que em minhas buscas pessoais de aperfeiçoamento, encontrei aqui, neste local encantador, todos os subsídios necessários a um aprendizado mais concreto e expli…

Os professores: Um “novo” objeto da investigação educacional?

Houve um tempo, afinal nem tão distante, em que a função da escola era prioritariamente ensinar disciplinas que contribuíam nos universos de cada criança, despertando-as em suas inclinações naturais, na construção de seu futuro perfil profissional e pessoal.
Também era no ambiente escolar que a criança exercitava a convivência, não só com o contrário, mas principalmente com o diferente, deixando aflorar os ensinamentos oriundos de seu núcleo familiar.
Era comum ouvir-se: “a educação vem do berço”.
E este berço, não necessariamente precisava ser abastado economicamente e muito menos letrado, pois havia os conceitos pré-estabelecidos, onde as posturas respeitavam os limites do alheio, criando-se assim normas socais de conduta, não só externa, mas antes de tudo em meio à própria família.
Nesta época a que me refiro, havia uma distinção entre as atribuições tanto da família como da escola, assim como sob nenhuma circunstância esperava-se do mestre qualquer atributo fosse materno ou paterno, a…
SURREAL, na falta de uma palavra mais adequada para definir o espetáculo das diferenças sistêmicas que se apresentou no Paço municipal de Itaparica, nesta manhã de 15 de janeiro de 2018, quando da posse da nova Secretária de saúde, senhora Estela de Souza. Minhas observações são resultadas de um espanto generalizado de uma representação pra lá de inimaginável em uma terra abandonada pelos poderes públicos e que, como resultado, fez nascer e se desenvolver um povo acanhado, sofrido e marginalizado, incapaz de ter voz ativa associado à sensatez da busca do que acredita ser os seus direitos. Enquanto, uma elite frajola, elegante, cheirosa e desconhecida à cidade e ignorante das reais necessidades da mesma, discursava no salão imperial, aplaudindo a si mesmo, meia dúzia de oposicionistas gritavam palavras de ordem em nome de um povo acovardado que se escondia atrás de muros e janelas, incapazes de ter voz ativa, além do anonimato das esquinas, bares e corredores, numa expressividade indubi…